Trabalho construído de forma coletiva foi apresentada à comunidade em Audiência Pública

10 de setembro de 2019

Cidades Compactas, Coordenadas e Conectadas. Esses são os três “C” que norteiam uma boa mobilidade urbana. Essa conclusão,  atrelada a inúmeros outros prognósticos desenvolvidos pelo CIMCATARINA, e, de forma coletiva e participativa com a Prefeitura e a comunidade de Tangará, estiveram na pauta da Audiência Pública realizada na noite desta quinta-feira,  5, no Centro de Múltiplo Uso do munícipio. Após os alinhamentos finais levantados na reunião,  o Plano de Mobilidade Urbana seguirá para a Prefeitura para encaminhamento de projeto de lei ao Legislativo Municipal.

O trabalho iniciou simultaneamente a revisão do Plano Diretor do município há cerca de um ano. Durante o período uma audiência pública inicial e cinco conferências municipais foram desenvolvidas gerando um diagnóstico de Mobilidade,  com apontamentos técnicos da situação atual do segmento,  bem como, com sugestões da comunidade, nesse processo colaborativo. 

Durante a elaboração do Plano de Mobilidade Urbana de Tangará  foram apuradas mais de 400 participações populares, sejam elas presenciais, realizadas nas conferências; online, através de formulários; protocolos realizados na prefeitura ou diretamente ao CIMCATARINA; email,  entre outras formas. Essa construção coletiva permite que o Plano de Mobilidade seja mais assertivo e atenda às expectativas da comunidade para a qual ele está destinado.

Após o diagnóstico inicial, a equipe técnica multidisciplinar  do CIMCATARINA, composta por arquitetos,  engenheiros civis, ambientais e sanitarista, florestais, advogados, geólogos e biólogos, realizaram um prognóstico, apontando todas as propostas de mobilidade baseada em eixos de circulação: a pé,  bicicleta,  transporte coletivo e veículos motorizados. O plano conta com alternativas como: ciclovias do centro para os bairros; rotas acessíveis; e, o destaque,  para ruas compartilhadas, resolvendo um problema diagnosticado das ruas estreitas, que consiste em uma única via atendendo a circulação de veículos,  ciclistas e pedestres, somente com áreas delimitadas por meio de sinalização e arborização. 

Para a engenheira civil,  Mayara Zago, o foco do Plano de Mobilidade está no melhor fluxo no perímetro urbano,  trazendo métodos para facilitar o deslocamento,  fornecendo estruturas coletivas e diminuindo o número de transportes individuais. O prefeito de Tangará,  Nadir Baú , destacou a importância do planejamento “Estamos nos preparando e planejando a forma de mobilidade, pensando na coletividade e no desenvolvimento do município.  Tangará está de parabéns por seu envolvimento e iniciativa” finalizou.

Mais Acessadas