Droga vinha de Passo Fundo-RS para Chapecó. Polícia investiga se morte de jovem tem relação com o esquema

15 de dezembro de 2019

Sete pessoas foram presas na madrugada de sábado para domingo, em Chapecó, suspeitos de integrarem uma quadrilha de tráfico de drogas sintéticas, do Rio Grande do Sul para Chapecó. Os presos têm entre 20 e 30 anos, não tiveram os nomes divulgados e são gaúchos, paranaenses e catarinenses.

Eles foram detidos quando se prepararam para levar a droga para uma festa em Chapecó. Come eles a Polícia Civil encontrou 76 comprimidos de ecstasy e MDMA.

De acordo com informações do delegado Rodrigo Moura, da Divisão de Investigação Criminal da Polícia Civil em Chapecó, os elementos de prova colhidos até agora já evidenciam a existência de um esquema de tráfico internacional e de organização criminosa.

A polícia já investigava a quadrilha há vários meses e, no dia 7 de setembro deste ano, já havia prendido dois traficantes com 259 comprimidos de ecstasy e dois tubos da substância conhecida como loló.

As investigações prosseguiram e foi descoberto que a droga vinha de Passo Fundo, passava por Erechim e abastecia festas eletrônicas em Chapecó. A Polícia Civil identificou quatro pessoas e fez o flagrante neste final de semana. Os sete foram levados para o Presídio Regional de Chapecó. Um usuário foi conduzido para a delegacia e depois liberado.

A Polícia Civil também investiga se uma morte ocorrida neste ano em Chapecó tem relação com o esquema criminoso. Mais detalhes serão repassados em entrevista coletiva, na segunda-feira, às 10h, na Delegacia Regional de Polícia de Chapecó.

A operação foi denominada Leprechaun, que, na mitologia irlandesa é um duende verde com um trevo de quatro folhas. Tem o poder de aparecer e desaparecer repentinamente e, quando capturado, pode indicar a localização de potes de ouro.

Mais Acessadas