O passageiro que atirou contra os suspeitos ainda afirmou que o grupo invadiu o ônibus agredindo as vítimas e disparando tiros | Foto: Tony Mattoso / RPC

13 de fevereiro de 2020

O passageiro catarinense que reagiu à tentativa de assalto a ônibus no Paraná, na madrugada de quarta-feira (12), descreveu à polícia que atirou contra dois assaltantes para proteger a própria vida. O coletivo interestadual seguia de São Paulo para Brusque, em Santa Catarina, quando o motorista foi rendido pela quadrilha na BR-116, em Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba. O passageiro armado estava na poltrona número 1 do ônibus.

As polícias recomendam não reagir a assaltos, independente das circunstâncias, especialmente se envolver armas de fogo, que pode causar acidentes e atingir alguém próximo às pessoas que estão sendo assaltada, como ocorreu neste crime.

Em depoimento escrito a próprio punho para à Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Paraná, o catarinense contou que os suspeitos entraram no ônibus agredindo os passageiros e disparando tiros. Sem dar detalhes da ação, alegou que “neutralizou” dois, dos três ladrões que invadiram o ônibus, temendo pela própria vida. O terceiro pulou do veículo e foi atropelado por um caminhão.

O passageiro, de 47 anos, portava uma pistola calibre 380 com registro válido, além de porte de arma de fogo regular. A reportagem apurou que a profissão do atirador é vigilante. A identificação do homem foi preservada para a sua segurança.

Durante a troca de tiros, uma mulher de 62 anos foi atingida no rosto de raspão. Ela foi encaminhada ao Hospital Universitário Evangélico Mackenzie, em Curitiba. A assessoria informou, na tarde da quarta-feira (12), que não corria risco de morte, mas permaneceu em observação até a tarde desta quinta-feira, quando deu alta.

Mais Acessadas