Homem deve cumprir uma pena de 10 anos de prisão em regime fechado e a mulher foi condenada a 4 anos de prisão em regime semiaberto

19 de fevereiro de 2021

Um casal foi preso nesta semana para cumprir uma sentença emitida pelo Juiz Flávio Luís Dell’ Antônio, da Comarca de Tangará, no ano de 2017. Eles foram condenados por agredir o próprio filho desde os três meses. O Homem deve cumprir uma pena de 10 anos de prisão em regime fechado e a mulher foi condenada a 4 anos de prisão em regime semiaberto.

A família morava no interior de Tangará, em 2014 o caso foi denunciado anonimamente por vizinhos, que ouviam o choro constante do bebê. As conselheiras tutelares já investigavam o acontecimento, diante de diversas explicações diferentes que a mãe fornecia sobre os hematomas que apareciam na criança.

O menino, com sete meses, deu entrada no hospital com diversas fraturas já calcificadas. Exames foram feitos porque os médicos acreditavam tratar-se de tumor ósseo, já que a mãe negava qualquer tipo de agressão. Os exames também constataram um quadro de desnutrição.

A outra filha do casal, com apenas 3 anos na época, presenciava as agressões. As crianças foram retiradas da família e encaminhadas para adoção. No abrigo, a menina relatou a uma das cuidadoras que o pai atirava o irmão contra a parede da casa.

Embora a mulher tenha confessado ter derrubado o filho no chão em uma ocasião, não demonstrou participação efetiva na tortura e maus tratos, mas conviveu com os fatos praticados pelo genitor, não fez nada para evitar o cometimento do crime, tentando inclusive encobri-lo.

O homem desconfiava de sua paternidade em relação ao filho menor, sendo este o verdadeiro motivo para castigar a criança, como se fosse o responsável pela traição amorosa. Inclusive, durante o decorrer do processo foi realizado exame de DNA, tendo como resultado que seria seu próprio filho.

Mais Acessadas

Carregando...