Número é preocupante já que profissionais estão esgotados e casos de internação atingem o ápice

2 de março de 2021

O Hospital Maicé de Caçador afastou em apenas 40 dias, 179 profissionais. São médicos, enfermeiros, auxiliares e outras pessoas da equipe que testaram positivo para Covid-19, ou que possuem familiares positivados, ou que precisaram se afastar por outros inúmeros motivos relacionados a saúde. A situação é preocupante já que a escassez de profissionais disponíveis no mercado de trabalho sobrecarrega o sistema gerando esgotamento físico e mental.

A informação dos afastamentos no hospital foi repassada pelo Secretário de Saúde de Caçador, Roberto Marton, durante coletiva de imprensa na última sexta-feira (26). “É um dado preocupante, pois não há profissionais para serem contratados. Então muitas vezes além de fazer a própria carga horária, o profissional ainda tem que cobrir o colega que está afastado”, disse Marton.

Ainda durante a coletiva, o secretário anunciou que mais três leitos de UTI, totalmente equipados passariam a funcionar no hospital Maicé a partir desta segunda-feira. O total de leitos da UTI Covid passaria de 12, para 15. No entanto, até o fechamento desta matéria, o número de leitos ainda não havia sido atualizado no Painel Covid.

Outro dado significativo, é com relação ao centro de Triagem de Caçador. O local está atendendo cerca de 150 pessoas por dia. As pessoas que procuram o Centro de Triagem apresentaram algum sintoma gripal, que posteriormente pode resultar em um caso positivo para coronavírus.

“O número de pacientes cresceu muito. Dentro destas necessidades, a secretaria municipal irá fornecer alguns funcionários para atender no hospital. Então será um médico, mais quatro enfermeiros e oito técnicos de enfermagem que o município irá ceder ao hospital”, disse o secretário.

A Uniarp também irá assumir o custo o de dois fisioterapeutas para atuarem no hospital. “Então essas medidas são coisas que estão organizadas e vão começar a funcionar imediatamente. Se não criar uma barreira nesse momento, será uma progressão muito grande”, finalizou Roberto.

Maicé pede ajuda da comunidade

O Hospital Maicé está no limite e pede ajuda classe empresarial e de toda a comunidade. A UTI está com todos os leitos ocupados e pacientes estão entubados no Pronto Socorro. Faltam insumos básicos para o atendimento como: Medicamentos para intubação, Aventais gramatura 50 ou 40, Luvas, Máscaras N95, além de dinheiro para compra de bombas de infusão (Valor de R$ 8.500,00 cada). O Hospital precisa de pelo menos 30 bombas para atender a demanda atual.

Contato para doações: (49) 3561-2829, falar com Gustavo ou Tania.
Email apoiologisitico@hospitalmaice.com.br

Mais Acessadas

Carregando...